sexta-feira, 18 de junho de 2010

Teoria inventada.

Num complexo errante
Entrelaçado nas ruas
Há pessoas profanas
desesperadas e nuas.
Num latente rasante
Mergulhado no nada
Um sorriso escondido
Um gargalhada
Indefinida, contida
Na tempestade recostada
A combinação mítica
Na física gloriosa
De um nó na garganta
E uma esperança temerosa
Porque um silêncio paralelo
Ladra, compondo a melodia
Para um encanto frio
Cravando a chave
Num despertar de um novo dia
Represados os sentimentos nossos
Sem formalidades expressivas
No espetáculo agonizante
No ponteiro de um relógio
Em meio a um enredo inimaginável
Um roteiro inexplicável
Lançado na sorte
Vagando sem rumo, sem leste, sem norte
No nascer do Sol
Na afiada gilhotina
Vejo cair a nostalgia
Da aurora nascente
Que é barrado no farol
Na luz vermelha que se acende.
Que acabe-se essa teoria inventada
Essa paz aprisionada
No acalanto das portas desse inferno celestial
Que gravou puras tendências
Na coluna de um jornal.

Quem sou eu

Minha foto
Sou um poeta suicida indagando a realidade. Cortando meus pulsos para ver a vida escorrer pelas veias junto com meu sangue.